Você se sente inchada na parte baixa da barriga, já reparou alterações na hemorragia de seu período menstrual, você tem desconforto em suas relações sexuais, ou dor na zona da pélvis?, essas condições correspondem aos sintomas dos cistos de ovário, em cujo caso é necessário recorrer a um especialista para nos ajudar a diagnosticar o tipo de cisto o que estamos fazendo referência, e assim verificar se é benigno ou não. Considerados como "sacos" repletos de material semi-sólido ou líquido e gerados no interior de um dos ovários, os cistos aparecem com bastante freqüência na fase reprodutiva da mulher e na maioria dos casos, não são prejudiciais para a sua saúde. Por isso, antes de alarmar perante a sintomatologia antes exposta, é necessário recorrer a opinião e experiência de um profissional médico, como os especialistas em ginecologia, em Barcelona, para que nos indiquem realmente qual é o tipo de cisto que foi gerado no interior de um de nossos ovários, os órgãos encarregados de produzir os hormônios da mulher e abrigar em seu interior os óvulos. Tipos de cistos de ovários Neste sentido, hás de saber que existem diversos tipos de cistos de ovários. Por um lado, os chamados funcionais, ou seja, aqueles que não estão associados a nenhum tipo de doença de graves consequências para a nossa saúde e que podem associar-se à ovulação da mulher, ou seja, aqueles momentos em que o ovário produz um óvulo. Esta classe de cistos, produto deste processo natural no organismo da mulher, geralmente costumam desaparecer com o passar do tempo, em cerca de dois meses, sem a necessidade de ter que recorrer a um tratamento específico para combater a sua presença. Estes cistos de ovários funcionais tendem a ser mais frequentes entre a população feminina. Não obstante, há outro tipo de cistos de ovários associados a certas doenças, como o câncer de ovário ou síndrome do ovário policístico que devemos prestar especial atenção e que necessitam de um tratamento específico para evitar que a sua presença possa afetar a nossa saúde. O tamanho do cisto também pode ser determinante na hora de distinguir os sintomas associados a este tipo de "sacos" cheios de líquidos presentes em nossos ovários, de forma que quanto menores são, menos vamos apreciar alguns dos sinais físicas comentadas em linhas anteriores. As fases menstruais com dor intensa, a sensação de estar inchada na parte baixa da barriga, dores nas costas e zona da pélvis, o desconforto na hora de manter relações sexuais, vômitos e náuseas, sensibilidade nas mamas ou certas irregularidades menstruais podem ajudar-nos a elucidar se os nossos ovários abrigam algum cisto no seu interior. Como diagnosticar e tratar os cistos de ovários Para diagnosticar os cistos de ovários, os profissionais médicos são servidos de diversas provas. Por um lado, destaca-se a conhecida como laparoscopia, que consiste na incisão do abdômen por meio de um dispositivo de pequenas dimensões, que permitirá que a pessoa que nos realiza a prova em questão, observar com precisão a cavidade pélvica e dos órgãos que compõem o aparelho reprodutor da mulher. No caso de que o cisto seja pequeno, o especialista poderá retirar, sem maiores complicações. Um dos procedimentos utilizados para o seu diagnóstico é o que se conhece como laparotomía, que vai gerar uma incisão, se cabe mais grande do que o caso anterior, e que permitirá remover o cisto para saber se é câncer ou não. Em caso afirmativo, o nosso profissional médico deverá retirar, entre outras coisas, alguns nódulos linfáticos e um ou dois ovários. Se falamos de um síndrome de ovário policístico, como se mencionou anteriormente, nestes casos, é conveniente optar por um tratamento hormonal e, em alguns casos, dependendo da gravidade da doença, costuma-se optar por uma operação cirúrgica por meio da qual podemos retirar destes cistos. Por outro lado, referimo-nos aos endiometriomas (cistos ovarianos causados por tecido endometrial), causadores de diversas moléstias. Se a endometriose não se estende, os profissionais médicos costumam optar pela cirurgia em forma de olho de fechadura através da laparoscopia antes referida, ou seja, a remoção de cistos de ovários de forma pouco invasiva. Os tratamentos são necessários no caso de que os cistos de ovários não se tenham dissolvido em prazos superiores a 5 meses ou até mesmo, tenham aumentado de tamanho, doenças de especial gravidade ou desenvolvimento de novos cistos após a menopausa. Em qualquer caso, é sempre melhor prevenir, por isso recomenda-se às mulheres antes da menopausa, especialmente se realizar ecografias para poder observar como evoluem esses cistos de ovários funcionais tão comuns. E vós?, o ocupam as precauções necessárias?, o novo e diferente, com frequências vossas revisões ginecológicas?

Post Navigation